Crianças Adotadas e de Orfanato

Atualmente se discute com entusiasmo se a adoção, em si, é um fator de risco para o desenvolvimento, especialmente (da personalidade) no que se refere ao rendimento escolar e ao desenvolvimento global da pessoa.

Em tese, alguns estudos têm sugerido que as possíveis alterações no desenvolvimento de crianças adotadas podem ser estudadas, juntamente, com as eventuais alterações que sofre também a criança interna em orfanato. De certa forma isso é verdadeiro em grande número de casos, partindo do pressuposto que as crianças adotadas passaram, antes, algum tempo em instituições asilares, portanto, mesmo adotadas elas carregam as vivências da instituição.

Há ainda quem compare as possíveis alterações observadas no desenvolvimento das crianças de orfanato, com as possíveis alterações de outras crianças que vivem em seus lares mas, não obstante, também são vítimas da Negligência Precoce. São os casos onde a mãe pode até estar fisicamente presente, mas é emocionalmente distante.

Negligência Precoce
Vamos considerar Negligência Precoce a situação onde não há uma interação satisfatória entre mãe e filho durante uma fase crítica na vida da criança. Essa ocorrência caracteriza uma das condições capazes de interferir no desenvolvimento infantil.

Dependendo da dimensão psicológica e neurológica dessa Negligência Precoce, mesmo que a criança tenha recebido cuidados materiais e físicos adequados mas, tenha sido, esse relacionamento, emocionalmente indiferente ou carente, os danos causados podem ser permanentes. Os estudos sobre a formação do vínculo afetivo do recém nato não se limitam à humanos. Alguns etologistas constataram que chimpanzés também têm um atraso no desenvolvimento quando privados do contato materno adequado.

Outro ponto relevante é que as alterações conseqüentes da Negligência Precoce não costumam ser apenas psicológicas. Harry Chugani (1), neurologista do Children`s Hospital de Michigan, comparando tomografias funcionais (SPECT) do cérebro de oito crianças (romenas) aparentemente saudáveis e adotadas por norte-americanos, com tomografias funcionais de um grupo de crianças educadas em circunstâncias normais, notou que, aparentemente, as oito crianças apresentam evidências de metabolismo anormal numa área específica do lobo temporal do cérebro.

Os cientistas acreditam que esta área do lobo temporal cerebral estaria envolvida no funcionamento social. Chugani acha que essas alterações podem representar alguma coisa relacionada à Negligência Precoce, a uma falta de interação entre mãe e filho durante uma fase crítica do desenvolvimento infantil.

Embora faltem bons estudos fisiológicos a respeito desta questão, pode-se suspeitar que as alterações no desenvolvimento conseqüentes à Negligência Precoce não sejam apenas devidas à falta de nutrição e/ou higiene mas, principalmente, devidas à falta de estímulos e contatos emocionais e afetivos. Esse sim parece ser o fator mais importante no atraso do desenvolvimento de certos sistemas cerebrais.

Entre os casos que podem ser considerados Negligência Precoce, o abandono é a forma mais grave e são vários os estudos sobre os efeitos deletérios de um abandono precoce da criança e da insuficiência vínculo mãe-filho para o bom desenvolvimento afetivo e neurológico.

Trata-se de uma situação onde a criança está privada, cronicamente, das necessidades básicas para seu desenvolvimento pleno e normal.

Spitz, mais tarde Robertson e Bowlby, desenvolveram estudos sobre o abandono em fases precoces do desenvolvimento infantil. Esses autores demonstraram claramente, prejuízos no desenvolvimento físico e psíquico das crianças vítimas de abandono. Um exemplo desses efeitos nocivos, é a chamada Depressão Anaclítica, descrita por Spitz, e traduzida por um quadro de perda gradual de interesse pelo meio, perda ponderal, comportamentos estereotipados (tais como balanceios) eventualmente, até a morte.

Em crianças precoces há uma sucessão de eventos que ocorrem depois de abandonadas denominado de Reação de Abandono ou, por outros autores de Reação de Aflição prolongada, que é específica das situações onde falta a figura materna ou de um cuidador afetivamente adequado e se caracteriza por:

1. Reação de Dor e Aflição Prolongadas:
Este estado pode se manifestar por qualquer etapa da seqüência: protesto, desespero e desinteresse.
1. A criança chora, chama e busca ao progenitor ausente, recusando quaisquer tentativas de consolo por outras pessoas.
2. Retraimento emocional que se manifesta por letargia, expressão facial de tristeza e falta de interesse nas atividades apropriadas para a idade.
3. Desorganização dos horários de comer e dormir.
4. Regressão ou perda de hábitos já adquiridos, como por exemplo, fazer xixi e/ou coco na roupa (ou cama), falar como se fosse mais novo.
5. Desinteresse paradoxal, que se manifesta por indiferença às recordações da figura cuidadora (fotografia ou menção do nome), ou mesmo uma espécie de “ouvido seletivo”, que parece não reconhecer essas pessoas.
6. Como comportamento alternativo, a criança pode mostrar-se exatamente ao contrário das características acima; torna-se extremamente sensível a qualquer recordação do(a) cuidador(a), apresentando mal estar agudo diante de qualquer estímulo que lembre da pessoa.

Sobre o estabelecimento dos vínculos, Winnicott (2) diz que: “Sem ter alguém dedicado especificamente às suas necessidades, o bebê não consegue estabelecer uma relação eficiente com o mundo externo. Sem alguém para dar-lhe gratificações instintivas e satisfatórias, o bebê não consegue descobrir seu próprio corpo nem desenvolver uma personalidade integrada“.

Alguns estudos sobre alterações psico-emocionais detectadas em crianças de orfanato, nem sempre acabam apontando um diagnóstico perfeitamente definido pelas classificações internacionais (CID.10 e DSM.IV). Foi de Laurie Miller, a seguinte observação: “Vi um menino que ficou num orfanato russo até os 2 anos e meio de idade e depois foi adotado por uma mãe solteira nos Estados Unidos. Cada médico que o atendeu fez um diagnóstico diferente: esquizofrenia, autismo, desordem obssessivo-compulsiva. Cada um continha um pouco de verdade.

Meu diagnóstico seria de complexa disfunção comportamental neurofisiológica de criança pós-institucionalizada.

Alguns psicólogos dão a esses pequenos pacientes o diagnóstico de Desordem do Vínculo, definindo um grupo de manifestações apresentadas por parte das crianças desses estabelecimentos asilares.

Esse, entretanto, não é um diagnóstico médico listado na CID.10, mas nem por isso deixa de existir.

A negligência é entendida, moral e juridicamente, como um tipo de violência onde o agressor é passivo, e a agressão acontece justamente pela falta de ação; portanto é muitas vezes é tida como menos importante. A mãe ou pai negligente é culpado mais pelo que não fez.

Teoria do vínculo
A chamada Teoria do Vínculo ou da Ligação Afetiva diz respeito à necessidade de amor materno, ou algo bem parecido com isso, para as crianças se desenvolverem bem emocional e cognitivamente. Essa ligação criança-mãe precisa, segundo especialistas, de uma importante continuidade de cuidado afetivo para ser eficaz.

Se o cuidado afetivo contínuo será fornecido principalmente por uma mãe, o que se pergunta com preocupação, é se um orfanato ou uma creche seria ou não uma espécie de descontinuidade no processo do vínculo. Os primeiros estudos sobre a Ligação Afetiva foram publicados pelo psiquiatra inglês John Bowlby e pelo francês René Spitz, e mostraram um impressionante comprometimento nas reações psicológicas e físicas das crianças separadas de seus pais quando muito jovens.

Fora a questão dos orfanatos, que parece ser pior, alguns terapeutas arriscam teorias segundo as quais, mesmo as creches, especialmente quando não são de boa qualidade, assim como a volta da mãe ao trabalho alguns meses após o parto, são fatores de grande risco para o desenvolvimento de desordens do vínculo. Pode-se, possivelmente, considerar as crianças pequenas que passam muitas horas em creches de baixa qualidade, e/ou que têm um grupo irregular de substitutos maternos durante seus primeiros anos de vida como fator fortemente agravante.

Desordem do Vínculo
A vida em orfanatos tende a inibir as áreas da inteligência nas crianças de uma forma global, interferindo negativamente na coordenação motora geral, na interação social e na linguagem. Bons estudos foram realizados no Canadá por Elinor Ames, e revelaram que 78% das crianças romenas provenientes de orfanato estavam atrasadas quando foram adotadas.

Por carência de estimulação, de vínculos afetivos e de atenção emocional, as crianças de orfanatos podem ter deficiências cognitivas, deficiências de integração sensorial, dificuldade em processar a linguagem no ritmo em que é falada e, conseqüentemente, prejuízo no processo de aprendizado.

Victor Groza (3), um dos maiores especialistas em adoção, num estudo de mais de 200 famílias norte-americanas que adotaram crianças romenas, dividiu os adotados em três grupos. Em seu estudo, cerca de 20% dos adotados eram o que ele chamou de “Crianças Prejudicadas”, ou seja, crianças que foram muito afetadas pela institucionalização em orfanatos. Essas crianças continuaram tendo problemas emocionais e de desenvolvimento até quatro anos após sua adoção.

O estudo não foi suficientemente longo para acompanhar essas crianças depois de 4 anos de adotadas.

Cerca de 60% dessas crianças ele chamou de “maravilhas feridas”.

Elas apresentavam um atraso de sociabilidade e de desenvolvimento em relação aos colegas mas, apesar disso, conseguiram readquirir uma boa adaptação e desenvolvimento em seus lares adotivos. Finalmente, refere um terceiro grupo representado por crianças sem nenhum efeito prejudicial produzido pelos orfanatos. Talvez, especula Groza, essas crianças fossem um tipo de “mascote” no orfanato e, com sorte, conseguiram fazer com que lhes fosse dispensado mais atenção.

Por causa do grupo “Crianças Prejudicadas”, Groza alerta que, ao adotar, é preciso estar preparado para alguém com necessidades especiais, necessidades estas que podem durar uma vida inteira. De qualquer forma, observou quer, entre as crianças deixadas em orfanatos e aquelas prontamente adotadas, estas últimas evoluem muito melhor.

Mas porque a chamada Negligência Precoce afeta mais algumas crianças que outras? A resposta pode ser tentada nos trabalhos de Jerome Kagan (5), de Harvard. Ao mesmo tempo em que ele que aceita a teoria do vínculo como sendo bastante atraente, reconhece ser muito difícil e subjetivo medir o conteúdo emocional dos relacionamentos entre as diferentes pessoas. O temperamento inato (natureza da criança), diz Kagan, é tão importante para determinar se um bebê se transformará num adulto feliz, seguro ou sofredor, quanto as primeiras experiências afetivas. Algumas crianças são simplesmente mais suscetíveis à separação e à perda do que outras.

Uma das seqüelas da criança de orfanato diz respeito à graduação ou nível em que estabelece vínculos íntimos com outras pessoas. Alguns, por um padrão de Vínculo Inseguro, costumam ser exageradamente amigáveis com todos que se aproximam, como se tentassem atrair a companhia e de alguém que lhes desse mais segurança, outros, ao contrário, parecem evitar qualquer aproximação mais calorosa, como se tivessem medo da decepção.

Algumas crianças parece que sentem a falta de pessoas particularmente sintonizadas com elas, no entanto, não produzem necessariamente um evidente distúrbio de vínculo. Consequentemente, isso pode fazer com que elas oscilem entre um vínculo inseguro ou vínculo embotado.

Hughes (1999) apresenta uma nova proposta para melhorar os problemas de adoção. Ele recomenda que os problemas de vínculo sejam previamente estudados e detalhados para, a partir desse conhecimento, elaborar-se condutas dos pais adotivos, consoantes aos problemas do vínculo. Na realidade ele faz o contrário do que se tem feito até agora, ou seja, ele não espera haver problemas de vínculo para agir nas crianças, mas parte do pressuposto de que, de fato, algum problema de vínculo existe e procura adequar os pais adotivos à esse problema (13).

Para uma criança muito nova, pode ser prejudicial a falta de ligação afetiva com uma pessoa que conviva com ela. Segundo a teoria de John Bowlby (8), a privação prolongada de cuidados maternos para uma criança muito nova pode causar efeitos de graves conseqüências no caráter, efeitos esses que podem se prolongar por toda a sua vida futura. E isso tanto se relaciona à crianças de orfanato, àquelas que sofrem separações dos pais, ou mesmo para aquelas que, apesar de viverem em seus lares, são abandonadas por negligência ou omissão.

Muitos acreditam que atender imediatamente a um choro de bebê pode transformá-lo numa criança mimada mas, por outro lado, sabe-se que nenhum tipo de cuidado infantil acompanhado de carinho materno poderá resultar em insegurança.


Elementos genéticos
Um estudo realizado pela psiquiatra Susane Rocha de Abreu , como dissertação de mestrado, mostrou que as crianças e adolescentes que moram em orfanatos têm seis vezes mais chance de desenvolver transtornos psiquiátricos do que as que vivem com suas famílias. Os orfanatos diferem de instituições destinadas à correção de delinqüentes, caso da maior parte das unidades da Febem, SP.

O estudo de Susane comparou crianças institucionalizadas com crianças que moravam com a família: enquanto, em média, 49% das crianças que moravam em instituições apresentavam algum tipo de transtorno psiquiátrico, eles foram encontrados em 14,3% das que viviam com a família.

O transtorno encontrado com mais freqüência em ambos os casos foi depressão. No grupo do orfanato, 28,6% tinham a doença, contra cerca de 8% dos adolescentes que moravam com a família. Em segundo lugar foi a Deficiência (Retardo) Mental Leve, encontrada em 11% das crianças dos orfanatos, contra 6,3% das que viviam em ambiente familiar.

Com menos freqüência, a Hiperatividade (4,8%) foi detectada apenas entre as crianças moradoras dos orfanatos, assim como a ansiedade (3,2%) e os Transtornos de Conduta, também só nos institucionalizados, com 1,6%, associado à delinqüência e à desobediência.

O trabalho conclui que viver em uma instituição está associado à maior chance de apresentar problemas psiquiátricos, mesmo considerando a influência de outros fatores como, por exemplo, a ausência da mãe (por morte ou desaparecimento) e o desempenho escolar prejudicado. Aliás, 62% dos internos estavam atrasados ao menos um ano em relação à série esperada para crianças de suas idades.

Influência Genética no Comportamento

Esse texto foi inspirado em: BEHAVIORAL GENETICS ’97: ASHG STATEMENT Recent Developments in Human Behavioral Genetics: Past Acomplishments and Future Directions, Stephanie L. Sherman et alli., Am. J. Hum. Genet. 60:1263-1275, 1997. Tradução: Nadir Ferrari, disponível na internet em

Para evitar muitas controvérsias sobre esse tema, já começamos dizendo que os achados históricos e contemporâneos sugerem que as características comportamentais podem ser moldadas tanto por influências genéticas como ambientais.

Considera-se a existência de um conjunto de genes atuando de forma aditiva (poligenes) que predispõem a pessoa a ter determinado padrão comportamental, embora não devemos nunca esquecer o papel fundamental do ambiente, cujos fatores (por favor, sem exageros) vão interagir na expressão da característica comportamental, considerada assim, de natureza multifatorial.

A doença afetiva, embora seja considerada de origem multifatorial, é um exemplo claro do peso da influência genética. Os estudos mostram acentuada concentração familiar desse Transtorno Afetivo. Cerca de 20% dos parentes próximos das pessoas com Transtorno Afetivo apresentam a mesma doença. Além disso, os dados sobre concordância da afecção em gêmeos comprovam que esta concentração familiar não é decorrente de imitação de atitudes entre pessoas da mesma família.

Quando um dos gêmeos monozigóticos (idênticos) tem doença afetiva, o outro membro também tem a doença em 75% dos casos. Por outro lado, se os gêmeos são dizigóticos a doença apenas em apenas 20% dos casos, mesma porcentagem que entre irmãos não gêmeos.

O fato da concordância entre gêmeos idênticos não ser de 100% sugere a participação de outros fatores, mas a percentagem de 75% sugere um forte componente genético.

Ballone GJ – Criança Adotada e de Orfanato – in. PsiqWeb, Internet, disponível em www.psiqweb.med.br, revisto em 2004.

Anúncios

2 opiniões sobre “Crianças Adotadas e de Orfanato”

  1. Meu Nome E Anna Claudia Tenho 17 Anos Sou Solteira Eu Queria Muito Adotar Uma Criança De 2 Anos Pra Mim Cuidar E Respeita E Amar Posso Se Sozinha Mais Te Uma Criança Ão Meu Lado Ía Muda A Minha Vida Espero Que Vocês Possa Me Ajudar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s